quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Pisada para dentro pode causar entorses de tornozelo

pé areia euatleta (Foto: Getty Images)

As pessoas portadoras de pés planos, conhecidos como pés chatos, têm a tendência de pisar para dentro, com a borda interna dos pés, ou seja, são chamados de pronados. O que causa desequilíbrio na pisada e na marcha provocando várias lesões como entorses de tornozelo que ocorrem com mais freqüência.

É necessário um trabalho de fortalecimento dos músculos envolvidos na articulação do tornozelo e de toda a perna. É fundamental trabalho de equilíbrio e propriocepção para ativar as reações de equilíbrio para diminuir ou zerar os entorses.
Ao detectar-se pés planos no bebê, os pais devem ficar alertas, conversar com o médico para trabalhar os pés da criança desde cedo, para prepará-las para a marcha. O caminhar em diferentes solos com diferentes texturas, solos irregularidades, bolas, apanhar objeto com os pés.

Na natação, a criança trabalha nas atividades de psicomotricidade os pés e o equilíbrio de todo o corpo. O uso de botas ortopédicas e palmilhas é muito discutido, cada caso é um caso, mas os exercícios citados são imprescindíveis.
O caminhar e o brincar, correr na areia fofa, são um dos melhores exercícios. O andar descalço em diferentes tapetes, subir e descer obstáculos, o trabalho psicomotor é muito indicado para fortalecer e dar mobilidade dos pés.

A criança var crescendo com trabalho direcionado visando aumentar o arco plantar, ou seja, a curvatura da sola dos pés. Quando recebemos o paciente adulto, orientamos exercícios que de vem ser feitos para o resto da vida para fortalecimento e alongamento muscular e flexibilidade articular, mas não é possível ganho de arco plantar.
Os pacientes relatam casos de recidivas de entorse, as vezes, com consequências pequenas como edema, dor e muitas vezes com esgarçamento ou ruptura de tendões ou fratura óssea, o que acarreta transtornos na vida pessoal e laboral das pessoas.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Primeiros Socorros em Acampamentos


Podem ocorrer acidentes na hora da diversão

Podem ocorrer acidentes na hora da diversão

Fratura fechada – quebra de osso sem rompimento da pele.

Gravidade: média a alta.

Sintomas: dor intensa, deformação do local afetado, incapacidade ou limitação de movimentos, edema com ou sem hematoma, crepitação (atrito entre as partes fraturadas).

Procedimentos: imobilização do membro afetado. Manter o membro em posição natural, improvisar talas com material disponível e acolchoá-las, amarrar as talas com tiras de pano em torno do membro fraturado, porém não na fratura, deixar os dedos para fora para verificar a circulação do sangue. Em caso de fratura de antebraço, providenciar tipoia. Em casos de fraturas de clavícula, omoplata, braço, ombros ou cotovelos, imobilizar com tipoia e prender o braço no tronco com tiras de pano. Encaminhar a vítima ao hospital.

Fratura exposta – quebra de osso com rompimento da pele.

Gravidade: alta.

Procedimentos: proteger o ferimento com pano limpo antes de imobilizar, nunca tentar colocar o osso no lugar, imobilizar, encaminhar para o hospital.

Fratura de crânio

Gravidade: alta.

Sintomas: dor local, vômito, inconsciência, parada respiratória, hemorragia pelo nariz, boca ou ouvido.
Procedimentos: manter a vítima imóvel e agasalhada, não mexer na vítima até chegada do socorro, quando será colocada de costas sobre superfície dura (maca, tábua), com imobilização da cabeça e encaminhada ao hospital.

Fratura de coluna

Gravidade: alta.

Sintomas: dor local, perda de sensibilidade, formigamento e perda de movimento dos membros.

Procedimentos: iguais aos da fratura de crânio.

Fratura de costelas

Gravidade: alta.

Sintomas: respiração difícil, dor a cada movimento respiratório.

Procedimentos: iguais aos da fratura de crânio.

Fratura de bacia ou fêmur

Gravidade: alta.

Sintomas: dor no local, dificuldade de movimentos e de ficar em pé.
Procedimentos: iguais aos da fratura de crânio.

Entorses – estiramento ou ruptura dos ligamentos.

Gravidade: média.

Sintomas: dor intensa no local, edema com ou sem hematoma.

Procedimentos: colocar gelo no local, imobilizar com faixas. Se houver suspeita de fratura, o inchaço e a cor roxa forem excessivos, encaminhar para atendimento médico, pois pode haver necessidade de engessamento.

Como prevernir entorses no tornozelo


Corredores, jogadores de basquete, futebol, vôlei e muitos praticantes de esportes relatam terem sofrido pelo menos uma vez um dos tipos de lesão mais comuns entre praticantes de esportes: a entorse de tornozelo. Eu mesmo já torci o tornozelo e se você que me lê também já passou por isso, sabe que é não é nada agradável. A lesão nos impede de apoiar o pé no chão por algum tempo, no mínimo algumas semanas.
As estatísticas mostram que boa parte das pessoas que já sofreram entorse de tornozelo acabam sofrendo uma nova torção na região, em geral por negligência no processo de reabilitação. A grande maioria dos esportistas acha que está pronta para retornar aos treinos quando  a dor desaparece, mas isso é um grande engano.
É fundamental investir em exercícios de propriocepção (popularmente conhecidos como equilíbrio), que nos fornecem informações sobre a posição das diferentes partes do corpo. Após um entorse, nossa propriocepção fica comprometida, o que nos deixa mais vulneráveis à ocorrência de novas torções.
Como mostra o gráfico abaixo, a reincidência de entorses no tornozelo é mais alta quando não são realizados exercícios preventivos.

Texto de 

Renato Dutra

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Bom blog sobre Fisioterapia




A internet virou uma grande fonte de consulta das pessoas para qualquer assunto. E quando elas querem saber algo sobre a Sua Saúde não poderia ser diferente. São milhões de pesquisas diárias para saber informações de doenças como dores na coluna, asma, dengue, hérnia de disco, tendinites, entorses, dentre outras.

Fisioterapia Uroginecológica
Para as pessoas que procuram por tratamento ligados à Fisioterapia não seria diferente.  E ter uma boa fonte de consulta é importante para a melhor orientação de um tratamento ou até para a busca do melhor profissional. Se tratando de fisioterapia, um blog muito bom é o Faça Fisioterapia. Além da página principal, onde há milhares de posts sobre todos os tipos de assuntos, eles mantém blogs sobre especialidades, terapia manual e um site só para videos.

também o blog de Terapia Manual e o FisioVideos, todos administrados e atualizados pela mesma equipe. 

Fica a dica e use sempre a área de busca do blog. Com certeza você encontrará algo que tem duvida. 

Olha ai as redes sociais deles:

twitterfacebookinstagramgoogleyoutube


Post Parceiro

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Como prevenir entorses no esporte?

http://s2.glbimg.com/ndXqrVMG_mOKtglE4Gi-FrT4xAc87gDiFQ9HNQeD-CB8awCSbMfdniYLeeLNVe4i/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2012/09/19/pique_barcelona.jpg


Se tivermos um vilão na atividade física e esportiva ele atende pelo nome de "entorse" e o sobrenome "tornozelo". A entorse de tornozelo é a ocorrência traumática articular mais frequente nos esportes, independente da atividade física ou modalidade que se pratique.   

Acesse o Faça Fisioterapia

A primeira providência na prevenção de tão freqüente ocorrência é com a superfície. Buracos, ondulações, piso molhado (que altera a aderência com o calçado esportivo), superfícies com atrito maior nas paradas, mudança de direção e arranques de velocidade são fatores a serem observados.

O esporte, qualquer que seja, será retomado apenas após a cura completa do trauma articular. A memória do episódio doloroso ajuda neste início para os mandamentos da prevenção: 

  • Proteger os tornozelos com bandagens ou tensores
  • Conhecer o tipo de piso e usar o calçado adequado ou mesmo evitar superfícies impróprias para prática segura
  • Incorporar treinamento específico para a prevenção de recidivas, como fortalecimento muscular e treinos de propriocepção
  • Condicionamento físico geral, não só o específico e de habilidades relacionadas ao esporte praticado
  • Siga os conselhos do seu médico assistente. São muito valiosos apesar de você, na maioria das vezes, poder achá-los aborrecidos.

Na entorse os ligamentos envolvidos estiram ou se rompem, parcial ou por completo, classificados em grau já visando o planejamento para tratamento: leve, grau I, moderado, grau II, ou grave, grau III. Os leves se resolvem geralmente em até 15 dias enquanto os graves podem estender o tratamento por meses. 

Ocorrido o fato, pare imediatamente com a atividade para evitar que o quadro possa se agravar. Identifique corretamente o que aconteceu, pois, quanto mais preciso o diagnóstico e precoce o início do tratamento, mais rápido o retorno ao esporte. Aplique gelo, repouse, evite o apoio e deixe o membro acometido elevado. Procure tratamento especializado o mais rápido possível por mais simples que a lesão possa parecer. 

Negligenciar uma entorse de tornozelo, por mais leve que seja, é condenar a articulação a instabilidade com consequências que podem ser desastrosas. 

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

5 passos do PRICE em entorses de joelho

 Joelho Eu atleta (Foto: Getty Images)

Para se recuperar mais rápido de uma entorse do joelho, você precisa seguir um plano de cinco etapas do tratamento, clinicamente conhecido como PRICE (proteção, repouso, gelo, compressão, elevação).

Passo 1 – PROTEÇÃO
No momento agudo da torsão, exponha a área lesionada, proteja com algo rígido, como uma tala ou uma faixa. Pare imediatamente de fazer a atividade, pois se insistir em continuar pode agravar a lesão e siga os passos seguintes.

Passo 2 – REPOUSO/ DESCANSO
Após sofrer uma entorse no joelho, o descanso é provavelmente a parte mais importante do tratamento. Tente evitar colocar peso no joelho (carga) e ande o mínimo possível.

Passo 3 – GELO
O gelo ajuda a aliviar a inflamação (dor, calor, inchaço e vermelhidão). Coloque os cubos de gelo ou gelo picado em um saco plástico lacrado. Embrulhe a bolsa em uma toalha ou pano. Coloque sobre o joelho na área dolorida por 15 a 20 minutos, três vezes por dia. Continuar tratando o joelho com gelo por pelo menos três dias.

Passo 4 – COMPRESSÃO/ IMOBILIZAÇÃO
Comprima o joelho envolvendo-o com uma bandagem elástica (tapes) ou estabilizadores / joelheiras. Envolva com uma faixa firme o suficiente para suportar o seu joelho, mas não tão apertado que prenda a sua circulação.

Passo 5 – ELEVAÇÃO
Eleve o joelho dolorido, tanto quanto possível. Tente manter seu joelho acima do seu coração para diminuir o fluxo de sangue e inchaço no seu joelho. Deite-se de costas e coloque dois ou três travesseiros debaixo de sua entorse no joelho durante o sono.Para se recuperar mais rápido de uma entorse do joelho, você precisa seguir um plano de cinco etapas do tratamento, clinicamente conhecido como PRICE (proteção, repouso, gelo, compressão, elevação).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...